Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate

pten

Opções de acessibilidade

Início do conteúdo da página
Últimas notícias

“O que queremos para educação superior publica na Amazônia?” foi tema do Painel apresentado pelos reitores da Unifesspa no Encontro em Porto Seguro

  • Publicado: Sexta, 21 de Junho de 2024, 12h28
  • Última atualização em Sexta, 21 de Junho de 2024, 13h54
  • Acessos: 333

IMG 6813As reitoras e reitores das universidades federais foram recebidos esta semana para o II Encontro das Universidades Novíssimas e Super Novas. O evento aconteceu nos dias 18 ao dia 19 de junho, na Universidade do Sul da Bahia (UFSB), em Porto Seguro. O tema do encontro foi gestão estratégica universitária em instituições públicas federais. A programação contou com a participação da reitora da universidade anfitriã, bem como dos dirigentes das Universidades Federais do Cariri (UFCA), do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), do Oeste da Bahia (Ufob), do Delta do Parnaíba (UFDPar), de Jataí (UFJ), de Catalão (UFCat), de Rondonópolis (UFR), do Norte do Tocantins (UFNT) e do Agreste de Pernambuco (Ufape). 

Os encontros entre as universidades novíssimas e supernovas são anuais e foram iniciados em 2023. O objetivo é a troca de experiências e o compartilhamento de perspectivas entre as instituições. Criadas em 2013, a UFCA, a Unifesspa, a UFSB e a Ufob são chamadas de novíssimas, ao se considerar o conjunto das demais federais — algumas, centenárias. Alguns anos depois, em 2018, foram criadas as supernovas (UFDPar, UFJ, UFCat, UFR, UFNT e Ufape). 

O evento iniciou oficialmente na terça-feira, dia 18, com a formação da mesa de Boas-Vindas, composta pela professora Joana Angélica Guimarães da Luz, reitora da UFSB; o professor Jacques Antonio de Miranda, reitor da UFOB; a professora Analy Castilho Polizel de Souza, reitora da UFR; o professor Airon Aparecido Silva de Melo, reitor da UFAPE; o professor Francisco Ribeiro da Costa, reitor da Unifesspa; o professor João Paulo Sales Macedo, reitor da UFDPar; o professor Tiago Alencar Viana, pró-reitor de Administração da UFCA; o professor Christiano Peres Coelho, reitor da UFJ; o professor Airton Sieben, reitor da UFNT; e a professora Roselma Lucchese, reitora da UFCAT.

O secretário da Secretaria da Educação Superior(Sesu), Alexandre Brasil, conduziu a palestra de abertura, em que destacou a importância das universidades novíssimas e supernovas como instituições estratégicas para o desenvolvimento do país. Ele ressaltou o investimento do governo federal na educação e a relevância dessas universidades interiorizadas. “Elas, hoje, representam 3,32% das matrículas de todas as universidades federais. Reconhecemos sua importância e a necessidade de avançarmos na consolidação dessas instituições. Elas respondem por 11,3% das obras que serão iniciadas neste ano no Novo Programa de Aceleração do Crescimento, o Novo PAC, das universidades”, afirmou. O secretário também dialogou com os reitores sobre demandas das instituições sobre pessoal, recursos e políticas voltadas para a consolidação dessas novas universidades.

IMG 6817A gestão universitária em discussão

A programação contou com mesas-redondas e painéis nas quais diferentes aspectos do tema central foram abordados. Em todas as exposições, os pontos mais evidenciados foram: o de reivindicação de mais recursos de pessoal e financeiros para a consecução dos objetivos institucionais, mesclado com a demonstração dos esforços das comunidades universitárias para expandir as ações de ensino, pesquisa e extensão e colaborar para o desenvolvimento nacional a partir dos respectivos territórios de atuação.

A primeira mesa redonda, “A educação superior pública como agente de transformação socioambiental”, ampliou o tema da gestão universitária para além da educação. O público pôde conhecer experiências de instituições de ensino superior que atuaram em temas que envolvem as universidades brasileiras como fomentadora de alternativas e ações transformadoras.

Na sequência, o reitor João Paulo Sales Macedo (UFDPar) explanou sobre “O pacto agroecológico e socioambiental entre a Universidade e os Povos Tradicionais para o combate à fome, à pobreza e às desigualdades na região do Delta do Parnaíba e Norte do Piauí”. Foram apresentados ao público projetos e ações direcionadas à segurança alimentar da população, com sustentabilidade e acompanhamento técnico, ajudando diferentes comunidades a alcançar crédito e tecnologia para qualificar e fortalecer produção e escoamento.

No segundo dia do evento, mais mesas-redondas aconteceram, cujos temas foram “Gestão estratégica, ferramentas de gestão, gerenciamento de riscos” e a “Gestão de Riscos como ferramenta estratégica para alcance de objetivos e fortalecimento da governança pública”, com o pró-reitor de Administração da UFCA, professor Tiago Alencar Viana, e  “Assimetrias nas novíssimas e supernovas universidades federais do Brasil e seu impacto na gestão estratégica”, com o reitor Christiano Peres Coelho (UFJ) e moderação pelo pró-reitor de Planejamento da UFSB, Franklin Matos.

A última atividade do encontro foi a mesa Territorialização, interiorização do ensino superior público, aonde o reitor Ariton Sieben (UFNT) falou sobre A Territorização da UFNT no Norte do Tocantins, enquanto a reitora Roselma Lucchese (UFCAT) tratou do tema “Os desafios da expansão do sistema público de ensino superior: interiorização e financiamento”, com a moderação do pró-reitor de Assuntos Estudantis da UFNT, José Manoel Sanches. 

A Unifesspa no Encontro de Supernovas e Novíssimas

A participação da Unifesspa no Encontro em Porto Seguro, como era de se esperar foi potente e participativo. Além do Painel que foi apresentado pelos reitores, durante a fala de Alexandre Brasil(Sesu), a professora Lucélia, pediu a palavra a fim de marcar a importância das universidades tratarem o tema inclusão de populações historicamente marginalizados, em especial, pessoas com deficiências, pessoas dentro do espectro autista e pessoas com altas habilidades ou superdotação.

IMG 6819Para Lucélia, existe uma enorme boa vontade das universidades em tratar o tema. Que tanto a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização de Jovens e Adultos, Diversidade e Inclusão (Secadi) quanto a Sesu tem sido aliados nesta luta, mas, que há necessidade da criação de um setor específico para atuar com inclusão e acessibilidade desta população. E chamou a atenção que, apensar de serem garantidos por Lei, esta minoria tem sido, muitas vezes, invisibilizada nos discursos dentro de nossas universidades.

Por fim, a professora perguntou se a Sesu está aberta a receber as demandas para fortalecer a experiências destes cidadãos nas universidades. “Garantir o acesso através de cotas e a bolsa permanência, não é suficiente para possam viver a universidade plenamente”, defendeu. Para ela, é necessário recursos para investir em tecnologia, tecnologia esta que não atinge apenas os discentes, mas, os servidores e servidoras com deficiência. “É urgente a criação de políticas que garantam de fato a inclusão de pessoas com deficiência nas universidades”, concluiu.

Os professores Francisco Ribeiro da Costa e Lucélia Cardoso Cavalcante, Reitor e Vice-reitora da Unifesspa, ficaram responsáveis por apresentar o painel O que queremos para a educação superior pública na Amazônia?”. Em suas falas, trouxeram as dificuldades e as potencialidades da vida na região amazônica formando um pano de fundo, possibilitando a eles contarem um pouco das ações desenvolvidas junto às comunidades atendidas pela universidade.

Em relação à fala do reitor da UFJ sobre “Assimetrias”, Christiano Peres Coelho, o professor Francisco, além dos parabéns, revelou estar contemplado pela apresentação e apontou que as dores são as mesmas, em especial, as vagas para docentes e técnicos. Apontou que as vagas de servidores estão concentradas no Sudeste do país. “As informações públicas apontam que seis Ifes acumulam 28% dos códigos ociosos para professores, 27% para técnicos de nível superior e 30% para técnicos de nível médio. O restante é das outras universidades. A concentração é absurda!”, revelou. 

Fim do conteúdo da página