Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

GTranslate

pten

Opções de acessibilidade

 
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Museu da Biodiversidade Tauari recebe comunidade surda e é batizado com sinal em Libras

  • Publicado: Quinta, 28 de Novembro de 2019, 10h55
  • Última atualização em Segunda, 02 de Dezembro de 2019, 20h40
  • Acessos: 3247

Destaque SurdosMuseuPela primeira vez, o Museu da Biodiversidade Tauari, numa ação em parceria com o Clube de Ciência e o Núcleo de Acessibilidade e Inclusão Acadêmica (NAIA) da Unifesspa, recebeu um grupo de pessoas surdas, formado por crianças, jovens e adultos.

Eles puderam conhecer de perto os projetos e pesquisas ligados ao museu e participar de uma trilha ecológica. O objetivo era falar sobre biodiversidade e preservação ambiental. A ação, denominada "Trilha biodiversa para surdos", foi marcada por momentos de aprendizado, de interação e de respeito às diferenças.

Entre o grupo, havia algumas crianças ouvintes que puderam aprender um pouco da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e interagir com as crianças surdas de maneira espontânea. Sob a orientação e supervisão do professor da Unifesspa, Danilo Oliveira, eles percorreram a trilha até rio Tauari, coletaram alguns animais como borboletas e insetos e puderam aprender sobre as peculiaridades das espécies em laboratório.

Todo o percurso foi acompanho pela intérprete de libras da Unifesspa, Andreza Reuter, garantindo uma comunicação bidirecional e inclusiva. Assim, a margem do "Tauarizinho" se transformou numa verdadeira sala de aula. Uma experiência única não só para os participantes surdos, mas para a equipe de professores e estudantes envolvidos no projeto. A atividade também foi monitorada pelas professoras Alessandra Ramos, coordenadora do projeto Clube de Ciências e Lucélia Cavalcante, coordenadora do Naia.

Omeninosnorboletas encerramento da atividade foi marcado por relatos comoventes dos surdos sobre o significado desta experiência. Para eles, a trilha foi de grande aprendizado, principalmente, pela intensa atividade visual ocorrida. Antes de deixarem a Unifesspa, eles fizeram questão de presentear a universidade batizando o Museu do Tauari com um sinal em Libras, contendo elementos que fazem referência ao laboratório, à fauna, à flora e à biodiversidade.

“Esse foi um dos momentos mais gratificantes da minha carreira até hoje. Essas pessoas vão se lembrar dessa ação para o resto de suas vidas, assim como eu vou me lembrar. O fato deles revelarem que essa é primeira vez que eles têm contato tão direto com um laboratório é extremamente gratificante e mostra que realmente essa ação fez a diferença",comentou, emocionado, o professor Danilo Oliveira.

Para a equipe envolvida no projeto, ganhar um símbolo pela comunidade surda foi considerado o momento mais importante da história do Museu. “Queremos que ações como essa sejam, cada vez mais, rotineiras. Estamos fazendo do museu Tauari um espaço consagrado para a educação ambiental e, principalmente, um espaço conhecido e utilizado pela sociedade”, completou o professor.

“Foi um momento rico de integração e inclusão. Meus filhos aprenderam Libras com crianças surdas, interagiram e tiveram aqui muito mais que uma lição sobre o meio ambiente, uma verdadeira aula de inclusão e respeito às diferenças", comentou o servidor da Unifesspa, Patrício Rocha, que colaborou na cobertura fotográfica da Trilha biodversa para surdos.

A atividade foi realizada na manhã do dia 16 de novembro, no Museu da Biodiversidade Tauari, que fica localizado na Unidade III do Campus Marabá (Loteamento Cidade Jardim).

Destaque SinalLibrasMuseuTauari

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página